2/2/2019
Brumadinho: número de mortos sobe para 115




No nono dia de buscas, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte (MG), um ritual de dor e angústia se repete para muitas famílias. São pessoas que aguardam notícias de seus parentes desaparecidos. Homens, mulheres e crianças que ficam horas olhando para um mar de lama e que diariamente vão à Central de Informações para checar a lista de identificados.

Psicólogos e assistentes sociais fazem plantão nos locais para dar apoio às famílias que descobrem que a pessoa procurada está entre os mortos e desaparecidos. Pelo último balanço, são 115 mortos, 248 desaparecidos e 395 localizados. Dos mortos, 71 foram identificados.

Um casal e as duas filhas, que preferiram não se identificar, procuram a terceira irmã das jovens, que trabalhava na empresa Vale no momento do rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão. Todos os dias os quatro ficam de prontidão na margem do “mar de lama” como quem busca localizar um sinal de vida.

A imagem que se vê por todos os lados, entretanto, é a mesma: uma área imensa dominada pelo barro. Não é possível enxergar nada com cor ou forma. A lama tomou conta de tudo.

Agência Brasil


FONTE: Redação - agencia brasil


  Escreva um comentário para essa Notícia

  NOME:   CIDADE:   ESTADO:   COMENTÁRIO:
CÓDIGO: 171123        REPITA O CÓDIGO:   
Este espaço contempla os leitores do nosso site, objetivando proporcionar maior interação entre eles. Vale salientar que as opiniões expressas aqui postadas, não representam a opinião da diretoria do SINDEPOL/PB. Comentários anônimos, desconexos ou sem sentido em relação ao assunto comentado serão descartados pela administração do site.
VOLTAR